Instalação com resistência sísmica e requisitos do código 

Soluções sísmicas testadas e confiáveis

Requisitos IBC

Objetivo dos Requisitos de instalação para forros suspensos

  • Sistemas de suspensão fortes o suficiente para resistir às forças laterais impostas sobre os mesmos, sem falhar
  • Impedir que os painéis da borda caiam do plano do forro
Categoria IBC Requisitos de instalação IBC
A, B

A instalação do forro deve estar em conformidade com os requisitos mínimos básicos estabelecidos na ASTM C636.

 

C

Instalado de acordo com a ASTM E580 para Design Sísmico Categoria C

Molde de parede mínimo de 7/8"

O sistema de suspensão não deve ser anexado ao molde de parede

Folga mínima de 3/8" em todos os lados

Sobreposição mínima de 3/8" do sistema de suspensão no molde de parede

Os extremos dos perfis principais e dos perfis secundários devem ser amarrados para evitar que se soltem

Cabos de segurança necessários para as luminárias

D, E, F

Instalado de acordo com a ASTM C636 e ASTM E580

Molde de parede mínimo de 2"

O sistema de suspensão deve ser anexado à duas paredes adjacentes - as paredes opostas devem ter uma folga de 3/4"

Os extremos dos perfis principais e dos perfis secundários devem ser amarrados para evitar que se soltem

Sistema de suspensão para carga pesada

Áreas de forro acima de 1000 SF devem ter cabo para retenção horizontal ou um reforço rígido

Cabos de suporte perimetral de até 8"

 

Áreas de forro acima de 2.500 SF devem ter juntas de separação sísmicas ou divisórias de altura completa

Forros sem reforço rígido devem ter anéis de acabamento de 2" de grandes dimensões para sprinklers e demais penetrações    

As mudanças no plano do forro devem ter reforço positivo

As bandejas de cabos e os conduítes elétricos devem ser apoiados e reforçados de forma independente

Os forros suspensos serão sujeitos a inspeção especial


OBSERVAÇÃO: Consulte o profissional do código de normas local para obter informações específicas sobre a sua região.

Os projetos da Califórnia podem ser regidos pela DSA e  OSHPD.

Juntas de separação sísmica

As seções 13.5.6.2.2 do ASCE 7 exigem que áreas de forro maiores que 2500 SF tenham juntas de separação sísmica. A Armstrong realizou testes em grande escala que confirmam que um forro equipado com nosso clipe de junção sísmico para perfis principais (SJMR) e clipe de junção sísmico para perfis secundários (SJCG e SJCSI) funcionam tão bem quanto uma junta de separação fabricada em campo. Benefícios adicionais destas juntas de separação testadas sismicamente:

ICC-ES

Avaliações do ICC-ES

O ICC-ES faz avaliações técnicas de produtos de construção, componentes, métodos e materiais. O processo de avaliação culmina com a emissão de relatórios de engenharia técnica que abordam diretamente a questão da conformidade com o código de normas. Esses relatórios são extremamente úteis porque as agências reguladoras usam relatórios de avaliação para ajudar a determinar a conformidade com os códigos de normas e reforçar os regulamentos da construção; e os fabricantes utilizam os relatórios como evidência de que seus produtos (e isso é especialmente importante caso os produtos sejam novos e inovadores) atendem aos requisitos do código de normas e garantem aprovação regulamentar.

O ICC-ES emprega uma grande equipe de arquitetos profissionalmente licenciados e engenheiros civis, estruturais, mecânicos e de proteção contra incêndio. Os membros da equipe técnica da ICC-ES são especialistas na aplicação dos códigos de normas modelo e também têm acesso a informações históricas relacionadas à avaliação de produtos. Ao desenvolver critérios de aceitação, o ICC-ES busca rotineiramente a contribuição dos especialistas da indústria de construção, através de um processo de audiências públicas abertas. Essas audiências são conduzidas por um comitê independente composto por funcionários do código de normas que efetivamente cumprem com os regulamentos de construção.

IAPMO

Avaliações IAPMO

A IAPMO realiza avaliações técnicas de produtos, componentes, métodos e materiais de construção. O processo de avaliação culmina com a emissão de relatórios técnicos de engenharia que abordam diretamente a questão da conformidade com o código de normas.

Esses relatórios são extremamente úteis porque as agências reguladoras usam relatórios de avaliação para ajudar a determinar a conformidade com os códigos de normas e reforçar os regulamentos da construção; e os fabricantes utilizam os relatórios como evidência de que seus produtos (e isso é especialmente importante caso os produtos sejam novos e inovadores) atendem aos requisitos do código de normas e garantem aprovação regulamentar.

O Relatório de Avaliação Uniforme contribui para que o código de normas seja oficialmente notificado de que o produto passou pelos níveis mais altos e minuciosos de análise por terceiros. E também documenta que o produto é submetido ao programa de inspeção contínua de conformidade da IAPMO.

Todas as informações de conformidade relevantes do código de normas estão resumidas no relatório para ajudá-lo na seleção do produto e também  ajudar o oficial do código de normas na verificação da aceitação do mesmo. Embora um relatório de avaliação não seja uma garantia, os produtos sem esse relatório estão sujeitos a ter que fornecer informações pertinentes a cada oficial do código de normas.

Produtos recomendados